A deputada estadual Cida Ramos (PSB) definiu o programa “Future-se”, do governo Bolsonaro, como um projeto de desmonte e precarização da educação no país, durante Audiência Pública realizada na Assembleia Legislativa da Paraíba, na tarde desta segunda-feira (12).

De acordo com a parlamentar, o Governo Federal pretende se desobrigar da responsabilidade com o ensino universitário e superior do país. “A intenção é desmoralizar os reitores, porque com o Future-se se cria um conselho e os reitores passam a ser figuras decorativas, sem autonomia nenhuma e sem poder de ingerência sobre a própria universidade, e isso nós não vamos aceitar. A universidade é patrimônio do povo brasileiro e continuaremos lutando por uma educação que contribua para a soberania do nosso país”, declarou.

Cida ainda reforçou que a iniciativa da Audiência Pública, realizada em conjunto com a deputada Estela Bezerra (PSB) e o deputado Raniery Paulino (MDB), denota o comprometimento do Legislativo paraibano com o ensino público, gratuito e de qualidade. “Nós entendemos que o objetivo do Governo Federal é destruir a educação. O Future-se, torna as universidades verdadeiros balcões de negócios. Não há futuro com Future-se, mas sim, o aprofundamento das desigualdades educacionais já existentes, rechaçou.

A deputada Estela Bezerra destacou que o programa atinge diretamente os investimentos na universidade pública, que representa mais de um terço das matrículas do ensino superior na Paraíba. “O impacto do ‘Future-se’ que está sendo proposto para as universidades é ainda inestimável, até porque é um programa que nasce sem nenhuma avaliação das necessidades da universidade”, afirmou.

Para o deputado Raniery Paulino, a Assembleia tem que estar nessa discussão porque ela vai impactar a vida dos paraibanos. “São milhares de paraibanos que cursam na UFPB, UFCG e nos institutos federais, então, a gente tem que ter essa preocupação”, completou.

A reitora da Universidade Federal da Paraíba, Margareth Diniz, afirmou que espera ter uma posição final através do conselho universitário, quando o Governo Federal enviar para votação o projeto ao Congresso Nacional. “Estar na Assembleia Legislativa discutindo um tema de interesse da sociedade é de grande importância para todos que fazem a UFPB. Nós já temos feito essa discussão em assembleias universitárias em João Pessoa, Areia, Bananeiras e Rio Tinto. Na sequência, nós vamos fazer um fórum universitário e ampliar a nossa discussão em nível nacional, junto com as 63 universidades federais”, declarou.

De acordo com o reitor do Instituto Federal da Paraíba, Nicácio Lopes, um dos principais problemas do programa é a falta de discussão do Governo com os corpos dirigentes e agentes públicos. “Os reitores foram convidados às vésperas do anúncio dessa proposta para presenciar sem direito a qualquer opinião. Então, essa questão da metodologia precisa ser absolutamente sublinhada como algo a se lamentar”, argumentou.

Além de reitores, professores, estudantes, funcionários das instituições e representantes de movimentos sociais, também participaram da Audiência Pública os deputados estaduais Anderson Monteiro, Chió e Pollyanna Dutra; o deputado federal Gervásio Maia; o presidente do Conselho Estadual de Educação, professor Carlos Enrique Ruiz; o procurador do Ministério Público Federal, José Guilherme Ferraz; o vice-presidente estadual da União Nacional do Estudantes (UNE), Humberto Carvalho; o diretor da Associação dos Docentes da UFPB, Marcelo Sitcovsky; a defensora pública Aline Araújo Sales da Silva; o representante do Movimento Frente Brasil Popular, Gilmar Filipe Vicente; os vereadores de João Pessoa, Marcos Henriques e Sandra Marrocos; e a prefeita do Conde, Márcia Lucena.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Gabriel Moura
Carregar mais por Legislativo
Comentários estão fechados.

Veja Também

João Corujinha revela quanto tempo ficará de licença da presidência da CMJP

O presidente da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), João Corujinha (DC) falou, nesta s…