Após saltar de 47.215 para 64.021 entre 2011 e 2017, o número de mortes violentas intencionais (MVI) teve uma queda de 10,4% no ano passado e caiu para 57.341 (soma próxima à registrada três anos antes). A categoria compreende situações de homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte

Os dados são do 13º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, o mais recente relatório elaborado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgado na manhã desta terça-feira. A organização coleta informações das secretarias estaduais de Segurança Pública e Defesa Social, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), além de manter números próprios.

A taxa de queda é semelhante à detectada nos dados do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Segundo a pasta, houve 13% menos mortes violentas intencionais em 2018 em relação a 2017 — ano recorde para esse tipo de crime em todo o país desde o início da série histórica.

Nem todos os estados brasileiros, no entanto, registraram essa melhora no índice. Amapá, Roraima, Tocantins e Pará viram esse tipo de crime saltar em 2018, enquanto todas as outras unidades da federação tiveram queda. O caso mais surpreendente é o do Amapá, que teve apenas 26 casos de mortes violentas intencionais em 2011, mas viu o número subir para 480 no ano passado (variação de 1.423%). A taxa, que era de 3,8 crimes desse tipo a cada 100 mil habitantes, disparou para 57,9, um dos índices mais altos do país. Em 2017, o número absoluto era de 434, e a taxa, de 54,4.

“O número [de homicídios] não é baixo. Nos coloca entre as nações mais violentas do mundo” diz Renato Sérgio de Lima, diretor presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Hagnon Halberto Carvalho da Silva
Carregar mais por Notícias
Comentários estão fechados.

Veja Também

Sintur-JP detecta mais de 15 mil acessos irregulares nos ônibus, no mês de agosto

Durante o mês de agosto, o sistema da biometria facial, que opera nos ônibus da capital, e…