O presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou, nesta quarta-feira (9), que não pretende deixar o Partido Social Liberal (PSL) “de livre e espontânea vontade”.

Quanto à possibilidade de ser afastado da legenda pelo presidente, deputado federal Luciano Bivar (PE), Bolsonaro disse que era um “direito dele”.

Em conversa por telefone com O Antagonista, o chefe do Executivo alertou que sua eventual expulsão teria efeito negativo para a sigla:

Comigo fora da legenda, a tendência do PSL é murchar. Se eu sair, é natural que muita gente saia também.”

Bolsonaro se mostrou disposto a resolver o imbróglio com Bivar, mas reiterou suas críticas.

“Não integro a Executiva, só estou filiado ao partido, mais nada. Essas são as reclamações. Eu não quero esvaziar o partido. Quero que funcione. O PSL caiu do céu para muita gente, inclusive para o Bivar. O que faço é uma reclamação do bem. O partido tem que funcionar, tem que ter a verba distribuída, buscar solucionar os problemas nos diretórios. Todo partido tem problema. O presidente, o tesoureiro, eles têm que solucionar isso.” Disse o presidente.

Mais cedo, em conversa com a jornalista Andreia Sadi, do site G1, Bivar disse que Bolsonaro “já está afastado” do partido.

“A fala dele foi terminal, ele já está afastado. Não disse para esquecer o partido? Está esquecido.” Relatou Bivar.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Gabriel Moura
Carregar mais por Política
Comentários estão fechados.

Veja Também

PSDB vai instaurar procedimento para expulsar prefeito da Paraíba flagrado com dinheiro na cueca

O PSDB nacional decidiu instaurar um procedimento ético-disciplinar contra o prefeito da c…