O governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) promoverá o leilão da chamada Cessão Onerosa na próxima quarta-feira (6) e vai permitir que o vencedor tenha a possibilidade de explorar bilhões de reservas de petróleo no Pré-Sal da Bahia de Santos. Ao todo quatro áreas – Atapu, Sépia, Búzios e Itapu – vão ser leiloadas com reservas entre 6 a 15 bilhões de barris de petróleo.

Para se ter uma ideia da dimensão desse óleo acumulado na camada Pré-Sal, em profundidades médias de sete mil metros abaixo do nível do mar, países que fazem parte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEC, na sigla em inglês) – que reúne os maiores exportadores de petróleo do mundo – não têm em seus territórios reservas comprovadas de óleo desse tamanho. É o caso de Angola, Gabão, Congo e Guiné Equatorial, na África, e Equador, na América do Sul. Todos, individualmente, possuem reservas comprovadas de petróleo menores do que o excedente da cessão onerosa, que é o petróleo que vai ser efetivamente leiloado.

Por este motivo, o leilão desta quarta-feira no Rio de Janeiro se reveste de grande expectativa. Isso tanto no mercado, que têm mais de dez empresas inscritas no leilão – incluindo estrangeiras, como Shell e ExxonMobil, e nacionais, como a própria Petrobras -, quanto no Governo Federal, que espera arrecadar com o certame R$ 106 bilhões em bônus de outorga, valor pago pelo vencedor à União na hora de assinar o contrato. Este valor vai ser repartido com a Petrobras, municípios, estados e com o Rio de Janeiro, estado produtor.

Como o contrato prevê 35 anos de exploração dos campos de petróleo que serão leiloados – o tempo de maturação de projetos no setor demandam tempo para estarem totalmente operacionais -, a estimativa do Governo Federal é de que R$ 1,1 trilhão sejam investidos neste período, gerando empregos diretos e indiretos, dinamizando a economia, atraindo o capital externo e arrecadando impostos com a exploração.

Para entender um leilão tão importante e complexo, que desperta atenção do setor petrolífero internacional, seguem abaixo perguntas e repostas com o intuito de tornar um pouco mais claro o assunto.

Entenda o leilão da cessão onerosa

O que é a cessão onerosa?

A cessão onerosa foi uma forma de exploração celebrada entre a Petrobras e a União em 2010, na qual o Governo Federal cedeu à empresa a possibilidade de explorar cinco bilhões de barris de petróleo na camada Pré-Sal na Bacia de Santos em troca de uma maior participação na companhia.

O que vai ser leiloado?

Vai ser leiloado justamente o excedente que foi encontrado nestes campos de petróleo com o início da exploração pela Petrobras. Além dos originalmente previstos cinco bilhões de barris de petróleo, as pesquisas indicam reservas comprovadas que podem variar de seis a 15 bilhões de barris de óleo.

Como vai ser o leilão?

Como nas rodadas anteriores do Pré-Sal já realizadas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), vence o leilão aquele que oferecer o maior percentual de óleo à União a partir de um mínimo fixado no edital do leilão. Isso descontados todos os custos de produção. É o chamado regime de partilha de produção, instituído por lei em 2010 para a exploração do petróleo no polígono do Pré-Sal.

Qual a previsão de investimentos nas áreas que vão ser leiloadas? 

A previsão de investimentos é de R$ 1,1 trilhão em 35 anos com a exploração das quatro áreas (Atapu, Sépia, Búzios e Itapu), além de bônus de outorga de R$ 106 bilhões, que vai ser pago pelo vencedor do leilão na hora assinar o contrato com a União. Estes recursos vão ser repartidos com a Petrobras, municípios, estados e o Rio de Janeiro, estado produtor.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Hagnon Halberto Carvalho da Silva
Carregar mais por Economia
Comentários estão fechados.

Veja Também

Secretário de Saúde confirma primeiro caso de coronavírus no Cariri paraibano

A Secretaria de Estado da Saúde, através do secretário Geraldo Medeiros, confirmou na noit…