A capital da Bolívia, La Paz, registrou confrontos violentos na madrugada desta segunda-feira, 11, com edifícios incendiados durante supostos ataques retaliatórios depois que Evo Morales, presidente do país desde 2006, renunciou devido à pressão resultante de uma eleição questionada no mês passado.

No domingo 10, Morales disse que deixaria a Presidência para apaziguar a violência que tomou conta do país desde a eleição, mas despertou o temor de mais tumultos ao repudiar um “golpe” contra ele.

O ex-presidente denunciou pelo Twitter que sua casa e de sua irmã foram assaltadas. Segundo Morales, grupos violentos da oposição também teriam ameaçado ministros de seu governo e suas famílias.

As tensões no país, que está em ebulição há semanas, aumentaram durante a noite em meio ao vácuo político criado pela saída de Morales, seu vice-presidente e muitos de seus aliados políticos.

Na capital La Paz e na cidade de Santa Cruz, no leste, multidões comemoraram a renúncia de Morales, que provocou ira ao concorrer a um quarto mandato desafiando o limite constitucional e declarar vitória em uma eleição maculada por alegações de fraude.

Inicialmente, não ficou claro quem assumirá o comando da Bolívia até a convocação de novas eleições, mas a senadora de oposição Jeanine Añez disse em comentários transmitidos pela televisão que aceitaria a responsabilidade.

Além de Morales, o vice-presidente da Bolívia, Álvaro García Linera, também renunciou ao cargo. Os próximos na linha de sucessão ao cargo de presidente, que seriam o presidente do Senado e da Câmara dos Deputados, também pediram demissão, assim como o vice-presidente do Senado.

Parlamentares devem se reunir nesta segunda-feira para aprovar uma comissão ou parlamentar que teria o controle administrativo temporário da nação, segundo um advogado constitucionalista.

Um relatório da Organização dos Estados Americanos (OEA) divulgado no domingo disse que a eleição de 20 de outubro deveria ser anulada e que uma nova votação deveria ser realizada depois de descobrir “manipulações claras” do sistema eleitoral que criaram dúvidas sobre o triunfo de Morales.

Após o anúncio da OEA, Morales declarou que o pleito seria realizado novamente com um Tribunal Supremo Eleitoral renovado. Logo depois, contudo, os chefes das Forças Armadas e da Polícia pediram publicamente que o presidente renunciasse, para colocar fim à onda de violência, colocando mais pressão para que o chefe de Estado abandonasse o posto.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Gabriel Moura
Carregar mais por Notícias
Comentários estão fechados.

Veja Também

Justiça intima grupo de Genivaldo Tembório à retirar pesquisa fake das redes sociais

Na tarde da última quinta-feira (22), a Coligação Mudar Para Crescer que tem como candidat…