Apoiadores do presidente autoproclamado da Venezuela, Juan Guaidó, entraram na Embaixada da Venezuela em Brasília, na manhã desta quarta-feira (13). Apesar de o governo brasileiro reconhecer Guaidó como presidente venezuelano, a sede diplomática em Brasília é administrada por funcionários do presidente Nicolás Maduro. As embaixadas são consideradas territórios autônomos dentro de um país e seguem regras próprias.

O atual responsável pela embaixada, Freddy Meregote, encarregado de negócios que foi nomeado pelo governo Maduro, afirma que o imóvel foi invadido. Porém, o grupo pró-Guaidó diz que funcionários “abriram as portas voluntariamente”.

A Polícia Militar foi chamada para reforçar a segurança do local. A corporação informou que, por volta das 5h, pelo menos 14 pessoas haviam ultrapassado os portões. Do lado de fora, cerca de 30 manifestantes demonstravam apoio ao atual corpo diplomático – nomeado por Maduro.

Por volta das 8h, o grupo pró-Maduro forçou a entrada da embaixada, e apoiadores de Guaidó estacionaram um carro na frente do portão, pelo lado de dentro. A PM separou a confusão com o que parece ser gás de pimenta e fechou os portões.

Manifestantes pró-Maduro fazem ato na embaixada da venezuela, em Brasília — Foto: Luiza Garonce/G1

Em janeiro deste ano, o governo brasileiro reconheceu Guaidó como presidente da Venezuela. Guaidó nomeou, então, María Teresa Belandria como embaixadora do seu governo no Brasil. Ela vive em Brasília e improvisou um escritório em um hotel.

Nas primeiras horas desta manhã, Belandria disse que um grupo de funcionários da embaixada da Venezuela no Brasil entrou em contato com a sua equipe para informar que reconhecem Guaidó como presidente.

A sede diplomática venezuelana em Brasília está sem embaixador desde 2016, quando Alberto Castellar foi chamado de volta ao país como resposta de Maduro ao impeachment da presidente Dilma Rousseff. Atualmente, o responsável pela representação é Freddy Meregote.

À imprensa, Meregote disse que o local “foi invadido irresponsavelmente por um grupo delitivo, de pessoas uniformizadas e não reconhecidas.” Ele afirmou que a ação de apoiadores de Juan Guaidó “violenta a Convenção de Viena” e também falou em “violação dos direitos das famílias que moram na embaixada”.

Meregote afirmou que, embora o presidente Jair Bolsonaro tenha reconhecido Belandria como embaixadora, a representação do governo de Maduro não foi declarada como “non grata”.

“A Convenção de Viena diz que precisamos ser declarados ‘non gratos’ para sair do país” , afirma Freddy Meregote.

A Convenção de Viena, estabelecida em 1961, diz que “as premissas da missão diplomática são invioláveis. Os agentes do Estado receptor não podem entrar nelas, exceto com o consentimento do chefe da missão”.

O ministro de Relações Exteriores do governo Maduro também citou o documento internacional ao denunciar a invasão da embaixada. “Responsabilizamos o governo do Brasil pela segurança de nossa equipe e instalações. Exigimos respeito pela Convenção de Viena sobre relações diplomáticas”.

Em nota, o Gabinete de Segurança Institucional disse que o presidente Jair Bolsonaro “jamais tomou conhecimento e, muito menos, incentivou a invasão da embaixada da Venezuela, por partidários do Sr. Juan Guaidó”.

“As forças de segurança, da União e do Distrito Federal, estão tomando providências para que a situação se resolva pacificamente e retorne à normalidade”, afirma nota do GSI.

O incidente ocorre no momento em que Brasília é sede da cúpula do Brics (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).
PM faz segurança do lado de fora da embaixada da Venezuela em Brasília — Foto: Luiza Garonce/G1
Redação com G1
Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Gabriel Moura
Carregar mais por Notícias
Comentários estão fechados.

Veja Também

Justiça intima grupo de Genivaldo Tembório à retirar pesquisa fake das redes sociais

Na tarde da última quinta-feira (22), a Coligação Mudar Para Crescer que tem como candidat…