Justiça Eleitoral do Uruguai deu nesta quinta-feira, 28, a vitória nas eleições eleições presidenciais ao candidato de centro-direita do Partido Nacional, Luis Lacalle Pou, após a conclusão da apuração oficial dos votos. Daniel Martínez, candidato governista da Frente Ampla que governou por 15 anos o país, reconheceu a derrota.

“A evolução da contabilização dos votos não modifica a tendência. Por isso, saudamos o presidente eleito, Luis Lacalle Pou, com quem terei uma reunião amanhã. Agradeço de coração a quem confiou em nós com seu voto”, escreveu no Twitter Martínez.

A apuração havia sido suspensa no domingo devido a estreita margem que separava Pou de Martínez. Com 98% das urnas apuradas, a diferença de votos entre os dois candidatos era de cerca de 28.666.

Como a diferença era inferior ao número de “votos observados”, ou seja, os votos das 38.000 pessoas que trabalharam no pleito, como mesários e seguranças das urnas, ou pessoas que votaram fora de sua zona eleitoral, a Justiça começou uma nova apuração, dando a vitória ao candidato da oposição.

Junto de Pou, foi eleita a primeira vice-presidente mulher na história do Uruguai, Beatriz Argimón. A chapa de centro-direita quebrou a hegemonia da esquerda que estava à frente do país há 15 anos consecutivos.

Tabaré Vázquez, atual presidente do Uruguai e que batalha contra um câncer de pulmão, governou o país de 2005 a 2010 sendo sucedido por Pepe Mujica. Vázquez foi reeleito em 2015 e passará a faixa presidencial ao próximo presidente em março de 2020, quando deixa o cargo.

O desgaste da esquerda no Uruguai foi um processo natural. À frente por 15 anos no poder, a Frente Ampla conduziu reformas sociais, como legalização do aborto e da maconha, que não devem ser alteradas pelo novo governo, embora a violência no país tenha obtido um salto de 45% no número de homicídios indo a 8,4 para cada 100.000 habitantes, segundo o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC). Outro fato que contribuiu para o desgaste da esquerda no país foi a alta do desemprego e uma economia estagnada, apesar de estável.

Durante a campanha, Pou e Martínez escaparam da polarização entre esquerda e direita presentes no continente. Ambos os candidatos rejeitaram o apoio de Alberto Fernandez, presidente eleito de esquerda na Argentina, e de Jair Bolsonaro, presidente do Brasil.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Gabriel Moura
Carregar mais por Notícias
Comentários estão fechados.

Veja Também

Prefeito agradece apoio de Dr Romualdo “Vamos trabalhar juntos por Sumé e Congo”

Através das redes sociais, o prefeito de Sumé e candidato a reeleição Éden Duarte, agradec…