Durante sessão realizada nesta quarta-feira (4), o Pleno do Tribunal de Justiça julgou duas ações envolvendo o prefeito do Município de Taperoá, Jurandi Gouveia Farias, que foi denunciado pelo Ministério Público por supostas irregularidades em licitações referentes ao ano financeiro de 2014. O relator dos processos foi o desembargador Carlos Beltrão. Por unanimidade, ambas as denúncias foram recebidas pelo TJPB, sem a necessidade de afastamento temporário do cargo.

Na Notícia Crime nº 0000784-56.2018.815.0000, o gestor foi denunciado como incurso nas sanções do artigo 89 da Lei nº 8.666/93, por, supostamente ter contratado, sem licitação, pessoas físicas para realização de serviços mecânicos, através de contratos homogêneos com objetos similares, no valor total de R$ 38.280,00. O fato ocorreu mesmo diante da contratação de empresa, por meio de pregão, para prestar o mesmo serviço. O MP pugnou, na denúncia, por indenização em favor do erário do município correspondente aos valores pagos.

A defesa do prefeito arguiu a inépcia da inicial por não narrar o fato delituoso minuciosamente, além de pedir a absolvição por entender que a conduta é atípica. Em caso de recebimento da denúncia, pediu que o réu fosse mantido no cargo. Ao analisar a ação, o desembargador Carlos Beltrão entendeu que os fatos criminosos foram explicitados com elementos imprescindíveis de maneira direta e objetiva.

“A única forma de se buscar a verdade real dos argumentos por ora esgrimidos é por meio de uma dilação probatória mais acurada que, obviamente, não se pode dar nesta fase procedimental. Assim sendo, para que seja possível esclarecer os fatos narrados, se faz necessária a instrução do processo”, afirmou o desembargador Carlos Beltrão, confirmando o recebimento da denúncia e a consequente instauração da Ação Penal.

Já no Procedimento Investigativo Criminal nº 0000431-16.2018.815.0000, o prefeito de Taperoá foi denunciado nas sanções descritas no artigo 89, caput, da Lei nº 8.666/93, por, supostamente e em concurso material, ter contratado com dispensa do devido processo licitatório pessoas físicas para fornecimento de “coffeebreaks”, através de contratos autônomos que totalizaram o valor de R$ 26.893,00. Para o MP, a ação causou dano ao erário e, portanto, pediu indenização em favor do Município.

Neste caso, a defesa do gestor sustentou que os contratos estão em harmonia com a Lei de Licitação, pois os gastos não ultrapassam o teto previsto para a natureza das despesas realizadas. Dessa forma, apontou não haver a materialidade do tipo penal imputado, requerendo a absolvição sumária. Para o relator da ação, é necessária imersão na instrução probatória, o que só pode ser feito em uma nova fase do processo. Além disso, os elementos que constam nos autos demonstram, em tese, a configuração da infração.

“Impõe-se o recebimento da denúncia, com a consequente instauração da Ação Penal, ante a falta de elementos que justifiquem a sua rejeição total ou a improcedência da acusação e considerando, ainda, que o noticiado não conseguiu, em sua defesa preambular, refutar a acusação que lhe é feita”, afirmou o relator ao receber a denúncia. Para o desembargador Carlos Beltrão, não há a necessidade de afastamento temporário do cargo do prefeito.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Gabriel Moura
Carregar mais por Judiciário
Comentários estão fechados.

Veja Também

Governo do Estado nega pagamento a Livânia Farias e aponta erro em sistema

A Secretaria de Estado da Administração do Governo do Estado da Paraíba divulgou um comuni…