Katiane Gouvêa, demitida nesta quarta-feira, 11, da secretaria do Audiovisual, gastou 25.600 reais do fundo eleitoral a que teve acesso na eleição de 2018 numa empresa da qual é sócia. O dinheiro público foi destinado para a Grow Comunicação Ltda, que consta na Receita Federal como propriedade de Katiane e de sua mãe, Altina Leonardo de Gouvêa.

A informação está na prestação de contas divulgada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A ex-secretária se candidatou em 2018 a deputada federal pelo PSD do Paraná, com o nome de Katiane da Seda. Ela recebeu 960 votos e não se elegeu.

O montante gasto com a Grow em serviços de “criação, comunicação e divulgação” é equivalente a 51% das despesas da campanha de Katiane. Ela recebeu 50.000 reais do fundo eleitoral do PSD e uma doação de 400 reais de Amabili Florencio Celino Borges por meio de “serviços advocatícios na prestação de contas”. A reportagem tenta entrar em contato com a ex-secretária desde a sua demissão, mas ela não respondeu as mensagens enviadas.

Katiane também é irmã do ex-vereador de Londrina Rodrigo Gouvêa, que foi preso em 2009. Ele foi acusado dos crimes de peculato e de constrangimento ilícito por manter uma funcionária fantasma em seu gabinete e por intimidar uma testemunha.

A Secretaria de Cultura informou que o titular da pasta, Roberto Alvim, decidiu demitir Katiane ao tomar conhecimento de que há suspeitas de irregularidades na campanha eleitoral da ex-secretária. “Até que esses fatos sejam devidamente esclarecidos pela autoridade competente, o secretário decidiu por bem, em nome da lisura da coisa pública, afastá-la de suas funções de imediato”, diz o comunicado.

Também pesou contra Katiane a repercussão negativa envolvendo um caso de censura na Ancine. Foi atribuída a ela a decisão de vetar uma exibição do filme ‘A Vida Invisível’, do diretor Karïm Ainouz, em uma programa de capacitação de servidores da agência. O filme foi a produção inscrita pelo Brasil na disputa do Oscar de 2020.

A ex-secretária ficou duas semanas no cargo. Ela se tornou o braço-direito de Roberto Alvim desde o remanejamento da Secretaria de Cultura para o Ministério do Turismo e foi a responsável por várias das indicações para cargos de confiança na pasta, entre elas a do maestro Dante Mantovani para a direção da Funarte. Aluno do polemista Olavo de Carvalho, ele se diz terraplanista e afirma que o rock leva ao aborto e ao satanismo.

Servidores da secretaria do Audiovisual contaram que Katiane não aceitou a demissão e teve de ser retirada do prédio pelos seguranças. Ela deixou o local afirmando que Roberto Alvim é um “traidor”.

 

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Gabriel Moura
Carregar mais por Notícias
Comentários estão fechados.

Veja Também

PSDB vai instaurar procedimento para expulsar prefeito da Paraíba flagrado com dinheiro na cueca

O PSDB nacional decidiu instaurar um procedimento ético-disciplinar contra o prefeito da c…