Apontado como chefe da organização criminosa que desviou recursos públicos na saúde e educação da Paraíba, o ex-governador Ricardo Vieira Coutinho (PSB) criticou e chamou de “espetacularização” a atuação do Ministério Público (MP-PB) na Operação Calvário, que o prendeu na última quinta-feira (19).

Em live realizada nas redes sociais, o ex-governador Ricardo Coutinho, solto após habeas corpus concedido pelo ministro Napoleão Nunes Maia, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), considerou a sua prisão arbitrária e criticou os métodos do MP.

“Considero a prisão complemente arbitrária, não é possível que a prisão preventiva se torne um método de interrogatório”, disse. “Você não tem contemporaneidade nos fatos, não tem os fatos ocorridos naquele momento”, contestou a legitimidade dos áudios em que aparece negociando suposto repasse de propina com Daniel Gomes, dirigente da Cruz Vermelha.

“O MPPB forçou a barra para o espetáculo de me verem preso, para que se possa ter um efeito na conjuntura política. O que existe é um esforço enorme de se negar um projeto que mudou o estado de forma muito grande”, continuou Ricardo.

Ricardo Coutinho fez elogios ao ministro Napoleão Nunes Maia. “O ministro Napoleão em 9 paginas desmontou 200 paginas de acusação. Não sou mais governador, não tenho mais relação com João Azevêdo, rompemos politicamente, houve uma perseguição aos melhores quadros que o governo tinha”,disse.

O ex-governador não comentou sobre os novos trechos da delação da ex-secretária de Administração do Estado, Livânia Farias, que revela ter entregue mais de um milhão de reais em suas mãos.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Hagnon Halberto Carvalho da Silva
Carregar mais por Destaque
Comentários estão fechados.

Veja Também

Ministério Público Eleitoral pede arquivamento de denúncia contra Dr.Augusto Valadares

O Promotor Eleitoral de Sumé, Dr. Bruno Leonardo Lins, representante do Ministério Público…