A recente prisão do ex-governador Ricardo Vieira Coutinho (PSB), pode trazer outras consequências. Uma delas, por exemplo, é a perda de honrarias que andou recebendo no final de seu mandato, como a medalha José Américo de Almeida, conferida pelo Ministério Público da Paraíba.

Há poucos dias, o defensor e policial aposentado José Espínola da Costa, protocolou, junto ao Colegiado de Procuradores, petição para que seja revogada a concessão do certificado e da medalha que foram entregues ao ex-governador em 4 de dezembro de 2018. O caso, agora, será apreciada nas próximas reuniões do colegiado. “Ele é o chefe da orcrim, não cabe”, argumentou Espínola.

A medalha José Américo de Almeida foi criada pelo Ministério Público da Paraíba em 1997 para homenagear personalidades que contribuem com o desenvolvimento da instituição e da sociedade.  A medalha é dividida em três categorias: Alta Distinção (folheada em ouro é a mais elevada), Distinção em prata e Bons Serviços. Ricardo Coutinho recebeu a de alta distinção.

Justificativa – Espínola alega que, diante do escândalo revelado pela Operação Calvário, quando a “Paraíba ficou sabendo que o ex-governador Ricardo Coutinho era, na verdade, chefe de uma organização criminosa, a homenagem perde sua razão e seu objetivo que é o de agraciar quem de fato prestou relevantes serviços ao órgão e a sociedade paraibana”.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Hagnon Halberto Carvalho da Silva
Carregar mais por Destaque
Comentários estão fechados.

Veja Também

Presidente do TSE alerta sobre cuidados sanitários na campanha e pede debate sem ódio e sem mentiras

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, alertou …