Logo após o presidente da Assembleia Legislativa, Adriano Galdino (PSB) ter declarado que como presidente não tem como barrar nenhum procedimento na Casa e sim fazer com que os ritos sejam seguidos e que cabe aos deputados analisar cada questão e defender seu ponto de vista, declarações dadas ao ser interpelado sobre como se posicionaria com relação ao pedido de impeachment que deputados de oposição protocolaram contra João Azevêdo e a vice Lígia Feliciano, o deputado federal Damião Feliciano (PDT) disse, que há um golpe em curso contra o governador e a vice-governadora.

De acordo com o entendimento de Damião, o maior beneficiado pela cassação do mandato dos dois seria o presidente da Casa, Adriano Galdino. “Para que se entre com um processo de impeachment contra o governador é preciso que ele tenha cometido um crime de responsabilidade. Pelo que eu vejo do processo que foi colocado não há crime de responsabilidade. Colocaram embutido dentro desse pedido o impeachment da vice-governadora porque ela seria co-responsável. (…) Aqui na Paraíba eles colocaram o governador João e por baixo do pano, a vice-governadora. Prestem a atenção: se isso acontecer, quem assumiria o governo é o presidente da Assembleia, Adriano Galdino. Seria o beneficiado direto desse desfecho. Isso é gravíssimo.

Daqui a 15 dias o governador do Estado seria Adriano Galdino. Isso nunca aconteceu em lugar nenhum do Brasil. Isso é um golpe, o maior golpe da democracia desse estado. Como parlamentar estou acusando publicamente esse golpe que a Paraíba não pode compartilhar. É sair de uma operação calvário para uma operação inverno”, disse.

Ainda de acordo com o deputado, Galdino, mesmo sendo aliado da gestão consentiu com o processo de impeachment e ainda de acordo com ele, isso se deu pelo benefício que Adriano pode tirar nesse sentido.

“Está tendo um golpe na Paraíba, está tendo uma manobra, estamos identificando. Estou dizendo que o beneficiado é o presidente da Assembleia, ele assumiria o governo do Estado. O mais grave ainda desse processo já está acontecendo. Quarta-feira foi dada entrada o processo, cabe ao presidente analisar para dar provimento ou não. O que foi o que o presidente fez? Colocou o processo para andar. Colocou o processo na assessoria jurídica, já deu consentimento”, disse.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Hagnon Halberto Carvalho da Silva
Carregar mais por Destaque
Comentários estão fechados.

Veja Também

Procuradoria da ALPB emitirá parecer favorável a impeachment de João Azevêdo

A Procuradoria-Geral da Assembleia Legislativa da Paraíba, deverá emitir nos próximos dias…