A Frente Parlamentar em Defesa da Democracia e Diversidade da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) realizou reunião remota, nesta quinta-feira (9), através do sistema eletrônico de vídeo conferência, para discutir desafios e propostas para a garantia dos direitos e cidadania durante a crise ocasionado pela epidemia coronavírus. Foram debatidas diversas ações para facilitar a vida das pessoas nesse período de quarentena.

Os participantes demonstraram preocupação com a situação econômica, pois muitas pessoas estão sem trabalhar, o que tem tornado a vida de muitas famílias cada vez mais difícil. “A Frente em Defesa da Democracia e Diversidade vai preparar um ofício que será encaminhado para as autoridades, com todas as ações que foram discutidas durante esse encontro. A ideia foi ouvirmos e daqui elaborar encaminhamentos para solucionar os problemas debatidos”, disse a presidente da Frente, a deputada Estela Bezerra.

A deputada Cida Ramos  afirmou a necessidade de contextualizar estratégias de enfrentamento, que ampliem a proteção das pessoas nesse período de isolamento. “As forças produtivas não conseguem prover esse momento de crise. Os serviços de acolhimento para a criança, os serviços de atendimentos para pessoas que vivem nas ruas estão colapsados”, destacou a parlamentar.

O presidente da ADUF-PB, Fernando Cunha, ressaltou que o desafio é entender o lugar daqueles que mais necessitam. “Os desafios postos são grandes e inusitados, pois o que está acontecendo é tudo muito novo. Um cenário em que o mundo precisou ficar em quarentena em função de uma situação sanitária. Não temos o total de subnotificações de casos e mortes. Nos preocupamos com a nossa infraestrutura da Saúde para comportar todos os pacientes, além da questão econômica em que muitos trabalhadores estão sem uma renda mínima”, disse.

A representante da Comissão Pastoral da Terra, Tânia Maria de Souza, afirmou a importância de pensar o pós pandemia, pois, segundo ela, o desemprego e a fome estarão em um nível difícil. “Estamos preocupados com esse período, pois com essa situação a produção no campo está sendo difícil para comercializar. As feiras agroecológicas tiveram uma queda econômica e está tendo muito prejuízo. O que queremos é uma alternativa para que possamos contribuir com a abertura das feiras .Temos que defender renda básica, cesta básica, classe trabalhadora”, comentou.

A representante da Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB), Joana Darc da Silva, parabenizou a iniciativa da ALPB em promover debates e reforçou a atenção às mulheres. “Nesse momento temos feito um grande esforço na questão da segurança das mulheres, já que a quarentena tem aumentado um pouco o número de casos de violência contra a mulher. Estamos incentivando para que elas denunciem. Temos que cobrar junto ao Estado ações sociais para implementar parte das demandas que tínhamos. Outra coisa que queremos é a garantia de que o Governo amplie a aquisição de testes. Sem eles não temos como aplicar uma política mais séria”, disse.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Gabriel Moura
Carregar mais por Legislativo
Comentários estão fechados.

Veja Também

Prefeita de Ouro Velho parte na frente e autoriza Transição

A Prefeita de Ouro Velho, Natalia de Dr. Junior, autorizou por meio de Decreto Municipal s…