Em nota à imprensa, o procurador-geral da República, Augusto Aras rebateu a declaração do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro à revista “Veja” na qual ele disse que a requisição de abertura de inquérito feita por Aras o apontava como possível responsável por calúnia. Aras disse que o requerimento foi “técnico” e não tinha “caráter intimidatório” e que “ninguém está acima da Constituição”. Aras designou três procuradores para tomar o depoimento de Moro.

Em entrevista à “Veja”, Moro criticou os termos nos quais Aras pediu a abertura de inquérito para apurar as suspeitas levantadas pelo ex-ministro de que o presidente Jair Bolsonaro teria tentado praticar ingerência política na Polícia Federal.

“Entendi que a requisição de abertura desse inquérito que me aponta como possível responsável por calúnia e denunciação caluniosa foi intimidatória. Dito isso, quero afirmar que estou à disposição das autoridades” – disse Moro à revista.

Em sua nota, Aras negou o tom intimidatório citado por Moro.

“A petição de inquérito apenas narra fatos e se contém nos limites do exercício das prerrogativas do Ministério Público, sem potencial decisório para prender, conduzir coercitivamente, realizar busca e apreensão, atos típico de juízes – e, só por isso, não tem caráter intimidatório. O procurador-geral da República, Augusto Aras, reitera que não aceita ser pautado ou manipulado ou intimidado por pessoas ou organizações de nenhuma espécie. Ninguém está acima da Constituição”, disse um trecho da nota.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Hagnon Halberto Carvalho da Silva
Carregar mais por Destaque
Comentários estão fechados.

Veja Também

Ruy Carneiro defende retomada do Projeto Verão Total em João Pessoa

Dinamizar o turismo através da conexão com o calendário de atividades culturais, estimular…