O Laboratório de Estatística Aplicada ao Processamento de Imagens e Geoprocessamento da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) disponibiliza diariamente, por meio de plataforma web, dados sobre os casos de Covid-19 no Brasil e na Paraíba. A iniciativa faz parte do projeto “Mapeamento e Tomada de Decisão sobre os casos de COVID-19”.

As atividades ocorrem desde o dia 4 de abril e mostram mapas, gráficos e análises para a adoção de novas medidas de saúde no combate ao novo coronavírus. Dentre as soluções apontadas, está a “Razão de Incidências Espacial”, que facilita a interpretação padronizada de mapas e a comparação direta entre os seus elementos.

De acordo com o coordenador do projeto, o professor Ronei Moraes, a intenção é criar metodologias de suporte científico para a definição de políticas preventivas de saúde pública. “O grupo já vem pesquisando e propondo novas medidas epidemiológicas.  Soluções relacionadas à modelagem e à tomada de decisão sobre a ocorrência de casos de Covid-19 no Brasil e na Paraíba”, destaca.

Além do professor, o grupo de trabalho conta com as docentes da UFPB Liliane Machado e Ana Cláudia Melo. Há ainda a participação dos estudantes Claryce Feitosa, Luciana Lima e Luiz Henrique Silva.

Conforme o professor Ronei, as informações disponibilizadas pelo site do projeto são de resultados parciais que se agravam e mudam a cada dia. “Mas já permitem orientar a população e os gestores sobre esse agravo para incrementar as ações de vigilância epidemiológicas no sentido de combater a Covid-19, de acordo com os locais de sua intensidade”, acentua.

Outro mapeamento realizado pela UFPB, a partir de dados retirados do boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde da Paraíba, traçou o perfil das mortes por Covid-19 no estado. Segundo dados, até ontem (28), quase 59% das pessoas que morreram eram do sexo masculino, tinham mais de 60 anos (67%) e doenças associadas (65%).

“A média de idade das vítimas era de 66 anos. Quase 7% fumavam, 24% eram hipertensos, 20% tinham diabetes e aproximadamente 14% possuíam problemas cardíacos. Esses dados mostram as pessoas mais propensas ao óbito na Paraíba e revelam os cuidados de saúde que devem ser direcionados a esses perfis”, reforça o professor Cássio da Nóbrega, coordenador do laboratório de inteligência.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Hagnon Halberto Carvalho da Silva
Carregar mais por Notícias
Comentários estão fechados.

Veja Também

Veja o vídeo: Ministério Público Federal deve abrir inquérito contra Prefeitura da Prata

A utilização de equipamentos fornecidos pelo governo federal aos municípios, por meio do P…