O PSB ajuizou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta terça-feira (28) para suspender o artigo 28 da Lei 13.988/2020 que extinguiu o voto de qualidade no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf).

O partido alega que a mudança altera a natureza do colegiado e o torna “eminentemente privado”, já que os representantes dos contribuintes, indicados por entidades privadas, passam a ter poder decisório prevalente.

Ao privilegiar o setor privado no conselho, a alteração fere a soberania do Estado e acaba “com a paridade de armas na discussão sobre uniformização jurisprudencial” e controle de legalidade dos atos praticados pela autoridade fiscal.

No julgamento de processos tributários e administrativos, o voto de qualidade no Carf é dado pelo presidente do colegiado, em casos de empate. No entanto, com a nova lei, havendo o empate, a decisão passa a ser automaticamente favorável ao contribuinte, o que dá maior peso ao agente privado na ação, em detrimento do entendimento do Estado.

O PSB considera que o fim do voto de qualidade evidencia “a mais categórica desproporção quanto à incidência da esfera privada sobre um órgão público. E mais, sobre um órgão público estratégico relacionado a uma das mais importantes atividades do Estado, a saber, a tributação”.

Embora essencialmente desempenhado pelo Estado, o sistema jurídico tributário admite a participação da sociedade civil, desde que esta não se volte a interesses e finalidades meramente privadas ou particulares, justifica o PSB na ação assinada pelo ministro aposentado do Superior Tribunal de Justiça, Gilson Dipp .

“O fim do voto de qualidade revela considerável distorção a um dos fundamentos da República Federativa do Brasil, mais especificamente a soberania (artigo 1°, inciso I, da CFRB/88). Isso porque, ao fim, não mais cabe ao Estado, por meio de seus representantes, decidir sobre a exigência de seus tributos, mas sim ao sujeito passivo nas autuações, qual seja, o particular contribuinte”, aponta.

Segundo o PSB, alteração acarretará em perda de R$ 60 bilhões por ano aos cofres da União em pleno período de combate à pandemia da covid-19.

Além disso, o artigo que acabou com o voto qualificado não tem pertinência temática com a Medida Provisória 899/2029, na qual foi inserido. “Trata-se de matéria não afeita ao objeto central da Medida Provisória nº 899 de 2019, vez que dispõe sobre critérios de julgamento tratados por outro diploma e que deveriam ser disciplinados por uma outra Medida Provisória”.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Hagnon Halberto Carvalho da Silva
Carregar mais por Destaque
Comentários estão fechados.

Veja Também

Jair Bolsonaro destina crédito suplementar de R$ 15 milhões para obra de adequação da BR-230 na Paraíba

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), por meio do Ministério da Infraestrutura, desti…