Os impactos econômicos da crise da COVID-19 nas empresas brasileiras foi o tema da Live realizada pela UNECS, que contou com a participação do presidente da CNDL, José César da Costa, do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, do presidente da Frente Parlamentar de Comércio, Serviços e Empreendedorismo (FCS), deputado Efraim Morais Filho (DEM-PB) e de cerca de 50 parlamentares.

O presidente da Unecs, George Pinheiro, conduziu o debate, que teve a presença também de presidentes de entidades nacionais do setor de comércio e serviços. As dificuldades de acesso ao crédito dominaram as discussões. O presidente da CNDL destacou que, de acordo com pesquisa realizada pelo Sebrae, dos 38% dos pequenos empresários que já buscaram crédito nesse período de crise causada pela COVID-19, somente 14% tiveram o pedido aprovado pelas instituições financeiras. Dos outros 86%, 58% já tiveram o pedido negado.

Para o deputado Efraim Filho (DEM/PB), presidente da Frente Parlamentar de Comércio, Serviços e Empreendedorismo (FCS), o governo precisa chamar para si a garantia de crédito para a micro e pequena empresa, com a contribuição do Congresso Nacional, que também deve assumir as responsabilidades em torno da questão.

  “Sabemos que não é simples, mas que é uma decisão técnica e política, porque se não fizermos isso hoje, amanhã esse recurso terá que chegar como socorro emergencial, sem nenhuma garantia de retorno do recurso”, disse Efraim.

Efraim lembrou que o setor de comércio e serviços é o que mais gera emprego e paga imposto no Brasil e que é essencial desburocratizar, simplificar procedimentos e procurar alternativas aos bancos para que o socorro chegue ao empresário. “Não adianta querer fazer economia financeira agora para depois ter de gastar mais. Precisamos salvar as empresas, para que elas mantenham as portas abertas e a retomada seja mais fácil”, completou.

Citando exemplos de programas de crédito de países como Estados Unidos e Suiça, o presidente da Unecs e da CACB, George Pinheiro, disse que as exigências das instituições bancárias têm sido o principal entrave para o alcance dos valores já disponibilizados, e que a alternativa para evitar um colapso é o governo assumir os riscos e as garantias para a concessão de crédito.  “Os empresários precisam de dinheiro em caixa para conseguirem sobreviver e retomar suas atividades quando autorizados a isto. Se não for através de empréstimos, que seja através de um auxílio emergencial dado diretamente pelo governo”, opinou.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Hagnon Halberto Carvalho da Silva
Carregar mais por Economia
Comentários estão fechados.

Veja Também

Deputado Frei Anastácio repudia intervenção na Convenção do PT “Ricardo Coutinho está querendo se apoderar do PT”

O deputado federal Frei Anastácio (PT/PB) disse que repudia com revolta, a intervenção fei…