O portal Cariri Paraibano, divulgou na manhã desta segunda-feira (13) uma matéria em que aponta o então pré-candidato da oposição à prefeitura da Prata, Felisardo Moura, como funcionário fantasma da Assembleia Legislativa da Paraíba.

Em resposta a esta matéria, Felisardo realizou uma entrevista na 95 FM de Sumé em que relatou que os seus adversários tentam a todo instante lhe atacar, e manchar seu nome perante a opinião pública.

“Os nossos adversários da Prata, eles tentam todo instante me atacar, buscando alguma coisa de negativa na minha trajetória, algo que venha a manchar a minha conduta retilínea, que venha de certa forma borrar à imensa folha de serviços prestados que tenho junto as nossas comunidades junto ao povo da minha terra”. Disse.

O pré-candidato falou que o grupo do prefeito Júnior de Nôta, montou uma verdadeira rede ódio contra a sua pessoa e ao seu grupo político.

“Montaram uma rede de ódio contra mim, gostaria saber se a algo de errado em ter uma assessoria com um deputado na Assembleia se isso é ilegal. Porque todos nós sabemos que todas Assembleias inclusive na Câmara dos deputados existe os assessores dos deputados, que fazem aquele trabalho na base dos seus líderes, portanto esse é o trabalho que nós fazemos junto ao deputado Inácio Falcão”. Explicou.

De acordo com a resolução de número 7.823, de 14 de Outubro de 2019, do Diário Oficial do Poder Legislativo,que trata dos cargos em comissão da Casa de Epitácio Pessoa. Sobre o fato noticiado, a assessoria destacou os seguintes incisos da resolução:

§ 2o. A execução da prestação de serviços dos servidores em exercício nos Gabinetes da Mesa Diretora e dos Parlamentares poderá ocorrer em qualquer local do território do Estado da Paraíba e terão seu controle de registro de frequência aferido pelo servidor designado pelo Deputado, que fará o escalonamento do trabalho, observando a necessidade do parlamentar e a carga horária legalmente trabalhada.

O poeta finalizou a entrevista falando que toda essa engrenagem do ódio realizado pela situação contra a oposição da Prata é para tirar o foco dos inúmeros casos de corrupção da gestão Júnior de Nôta.

“Mas isso é para tirar o foco da corrupção, do desmando, do descaso que é atual administração da Prata. Haja vista que no ano de 2014 o tribunal de contas constatou um desfalque de três milhões e novecentos mil reais das contas da prefeitura da Prata, isso um dinheiro tirado sem nenhuma comprovação, sem nenhuma nota fiscal, sem nenhum recibo. E são processos que ele (Júnior de Nôta) vai responder junto aos órgãos competentes, já foi processado pelo o Ministério Público Federal, e vai ter que devolver esse dinheiro aos cofres da prefeitura da Prata. Sem contar com as fraudes em licitações, os aluguéis de carros que nós sabemos que são de laranjas. Portanto tudo isto é para desviar a atenção das pessoas dessa administração desastrosa e descomprometida com o povo da Prata”. Finalizou.

 

 

 

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Gabriel Moura
Carregar mais por Notícias
Comentários estão fechados.

Veja Também

Desembargador ordena sequestro de R$ 134,2 milhões de 30 denunciados da Operação Calvário

O desembargador Ricardo Vital de Almeida, relator da Operação Calvário no Tribunal de Just…