O vereador-diretor da Escola do Legislativo na Câmara Municipal de João Pessoa, Lucas de Brito (PV), anunciou uma nova iniciativa dentro do programa ‘Aprendiz de Vereador’. Contando com a participação de ex-integrantes do projeto ao longo dos últimos cinco anos, a iniciativa visa a promover uma sistematização das leis municipais e o agrupamento das normas por temas específicos.

O parlamentar destacou que a ideia é aumentar a transparência dos trabalhos legislativos, trazendo pessoas sem vínculos com a Casa para atuar nos gabinetes por algumas semanas. “Ao aumentar a participação da sociedade civil no exercício do Poder Legislativo, assim como ao ampliar a transparência dos trabalhos parlamentares, o ‘Aprendiz de Vereador’ fortalece a democracia em João Pessoa”, sustentou.

Em 2020, o projeto completou cinco anos de existência, sendo dois deles realizados dentro do Gabinete de Lucas de Brito. Em 2017, a iniciativa passou a ser organizada pela Escola do Legislativo Professor Celso Furtado da CMJP. “É uma forma de empoderar a juventude pessoense, convidando-a a elaborar, sob a supervisão dos vereadores, proposituras concretas em favor da construção de uma João Pessoa cada vez melhor”, acrescentou.

Este ano, em virtude da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) a realização do projeto ficou comprometida, uma vez que é efetuado por meio de estágio-visitas. Pensando nisso, o parlamentar e os servidores da Escola do Legislativo elaboraram uma versão 2.0 do ‘Aprendiz de Vereador’, unido a ação com outra realização da Câmara Municipal: a Comissão do Revogaço.

Iniciada em 2017, a Comissão fez uma revisão das leis municipais e enxugou as normas em vigor na cidade. “Nós realizamos uma verdadeira faxina legislativa na Câmara Municipal. Nos deparamos com 15 mil leis e revogamos mais de seis mil destas. Também atualizamos as normas, separando-as por temas”, continuou Lucas de Brito. O princípio da Comissão Especial foi baseado na Lei Complementar Federal nº 95, de 26 de fevereiro de 1998, consolidando as normas em diplomas únicos e revogando iniciativas semelhantes ou em desuso.

O servidor da Escola Celso Furtado, Rômulo Santana, explicou como vai funcionar o projeto e destacou que a escolha dos ex-aprendizes ocorreu em virtude da familiaridade dos participantes com as técnicas legislativas e uso de ferramentas como o SAPL. O projeto vai funcionar de forma remota, enquanto durarem as recomendações de distanciamento social por conta da pandemia.

“Sete grupos serão formados com os ex-aprendizes que se interessarem em integrar a iniciativa e todos os participantes terão certificados de 60 horas ao final dos trabalhos”, esclareceu Rômulo. Os temas foram escolhidos de acordo com a necessidade de agrupar as normas da cidade de João Pessoa de modo a facilitar a consulta por parte dos cidadãos, do mesmo modo que ocorreu com o Estatuto da Pessoa com Deficiência durante a Comissão do Revogaço de 2017.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Hagnon Halberto Carvalho da Silva
Carregar mais por Destaque
Comentários estão fechados.

Veja Também

Wallber Virgolino promete armar guarda municipal de João Pessoa “A Guarda Municipal será um braço armado do município”

O delegado Wallber Virgolino (Patriota), candidato à Prefeitura de João Pessoa, prometeu q…