Tramita na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) o projeto de Lei 1.946/2020, de autoria do deputado estadual Tovar Correia Lima (PSDB), que torna obrigatório aos hospitais, maternidades e todos os demais estabelecimentos de saúde do estado a orientarem os pais, quando da coleta de material para o exame de triagem neonatal – conhecido como “teste do pezinho” –, sobre quais as doenças que são detectadas pelo exame e as que não são. A propositura tem o objetivo de possibilitar aos pais a opção de realizar os exames para a detecção das doenças raras em outro local.

“A limitação da detecção de doenças dos testes atualmente disponíveis nos hospitais e maternidades da rede do estado da Paraíba, não pode ser acompanhada da falta de informação aos pais. Entendemos que é obrigação do sistema público de saúde informar aos pais sobre as doenças não detectadas, para possibilitar a realização dos exames adicionais por seus próprios meios, caso desejem, em outros locais”, destacou Tovar.

Tovar ressalta que a medida ajudará a levar os pais a procurarem exames mais específicos, pois muitos até se dispõem a fazê-los, mas acabam não optando por achar que só em realizar o “teste do pezinho” é suficiente. Para ele, caso aprovada, a lei ajudará, inclusive, no diagnóstico precoce de doenças, contribuindo para que o tratamento aconteça o quanto antes. “Para a maioria das doenças raras, quanto antes a descoberta for feita e o tratamento adequado iniciado, melhor a sobrevida das pessoas. Algumas delas são degenerativas e com a medicação correta é possível barrar sua evolução. Por isso, quanto mais cedo identificada, melhor”, frisou.

De acordo com o deputado, o projeto prevê que a orientação aos pais será acompanhada da entrega de material impresso contendo: orientações gerais sobre a triagem neonatal, a importância de obter o resultado do exame independentemente da quantidade de doenças detectáveis e da necessidade de retornar o mais breve possível em caso de convocação pelo laboratório ou serviço de saúde e ainda a relação das doenças que são detectáveis pela metodologia utilizada para a triagem neonatal do “teste do pezinho”.

Devem constar ainda no material entregue aos pais a relação das doenças que não são detectáveis pelo exame neonatal nos hospitais, tendo como parâmetro as diversas modalidades de triagem neonatal ampliada disponíveis no Brasil, bem como os sinais e sintomas compatíveis com erros inatos do metabolismo que devem ser observados e, caso detectados os pais devem procurar um serviço de saúde, independentemente do resultado dos exames.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Hagnon Halberto Carvalho da Silva
Carregar mais por Legislativo
Comentários estão fechados.

Veja Também

Veja o vídeo: Ministério Público Federal deve abrir inquérito contra Prefeitura da Prata

A utilização de equipamentos fornecidos pelo governo federal aos municípios, por meio do P…