As empresas privadas, que atuam sob a forma de prestação direta ou intermediação de serviços médico-hospitalares no âmbito do Estado, agora são obrigadas a garantir e assegurar o atendimento integral e adequado às pessoas com deficiência. É o que determina a Lei 11.782/2020, do presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Adriano Galdino, sancionada pelo governador João Azevedo e publicada na edição desta quinta-feira (1º) do Diário oficial do Estado (DOE).

 

As empresas de seguro-saúde de medicina de grupo, cooperativas de trabalho médico ou outras que atuam sob forma de prestação direta dos serviços médico-hospitalares estão obrigadas a cumprir totalmente a prescrição médica, que definir a melhor intervenção terapêutica ou tratamento ao paciente.

 

Adriano Galdino justificou que o objetivo da lei ocorre da necessidade de se garantir o respeito ao profissional médico que prescreve o atendimento ao paciente, como à pessoa com deficiência, “que, se tiver tolhido o fiel atendimento prescrito, poderá ter, cada vez mais, condições prejudiciais a sua vida, evolução clínica e plenitude do uso dos seus direitos fundamentais”.

 

O não cumprimento dos preceitos da Lei sujeitará às operadoras de plano ou seguro de saúde infratoras, sem descartar a responsabilidade solidária das clínicas de tratamento, à multa de 1.000 (mil) Unidades Fiscais de Referências do Estado da Paraíba (UFR-PB) para cada caso apurado, aplicando-se o dobro em caso de reincidência. A fiscalização, apuração de denúncias e autuação por descumprimento é de responsabilidade dos órgãos de proteção ao consumidor, sem prejuízo da atuação do Ministério Público.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Hagnon Halberto Carvalho da Silva
Carregar mais por Legislativo
Comentários estão fechados.

Veja Também

João Azevêdo visita obras e apresenta investimentos que somam mais de R$ 189 milhões em Patos

O governador João Azevêdo esteve, nesta sexta-feira (23), em Patos, no Sertão da Paraíba, …